17.3 C
São Paulo
segunda-feira, maio 27, 2024

DevOps

O que é DataOps e quais as vantagens para a sua empresa

O que é DataOps? Data Operations, ou DataOps, tem o poder transformacional de reformular a maneira como as empresas operam. Esta abordagem, que combina automação,...

Arquitetura de dados: desvendando os desafios e tendências no Podcast Itshow

No sexto episódio do Podcast Itshow, os especialistas Ivan Ferraz, CTO na Mitre, e Michelle Almeida, Account Executive da Exbiz, fornecem uma visão valiosa...

DevOps

O que é DevOps?

DevOps é uma abordagem de desenvolvimento de software que tem como objetivo aumentar a eficiência e a velocidade da entrega de aplicativos, unindo as equipes de desenvolvimento e operações. Para isso, são utilizadas ferramentas de automação, como integração contínua (CI) e entrega contínua (CD), além de práticas ágeis, como Scrum e Kanban. Ele é caracterizado pela junção de elementos de desenvolvimento (Dev) e operações (Ops) da tecnologia, o que explica o seu nome. Por se tratar de uma integração entre pessoas, processos e produtos, o DevOps pode ser entendido como uma nova cultura de trabalho. As funções que antes eram exercidas de forma isolada, como desenvolvimento, operações de TI e engenharia de qualidade, agora trabalham de forma conjunta e coordenada para gerar produtos melhores e mais confiáveis, gastando menos tempo na implantação. O ciclo de desenvolvimento é reduzido, passando a ter um gerenciamento mais automatizado e entregando soluções melhores para os usuários.

Quais são os benefícios do DevOps?

Existem diversos benefícios em adotar a cultura do DevOps no processo de desenvolvimento de aplicativos, seja para os profissionais de TI, para os profissionais de desenvolvimento e infraestrutura ou para os clientes. Para começar, as equipes conseguem otimizar processos e entregar com mais agilidade, graças à automatização do processo de publicação do software. Com isso é possível aumentar não apenas a velocidade, como também a confiabilidade nas entregas de novas funcionalidades e atualizações do software com grande periodicidade. E, por falar em confiabilidade, a cultura DevOps também proporciona o registro e o armazenamento dos logs de desenvolvimento. Como resultado, quando um erro é identificado, não apenas é possível rastreá-lo com agilidade, mas também corrigir exatamente os logs que estiverem envolvidos. Também é possível automatizar os testes sempre que uma integração é feita, minimizando o risco de falhas. Com maior agilidade e flexibilidade, os recursos dos projetos podem ser escalados conforme necessário, sem deixar de lado a segurança, uma vez que podem ser implementados controles de segurança e monitoramento para proteger os sistemas. A equipe também é beneficiada, já que as barreiras são quebradas entre os desenvolvedores e os responsáveis pela infraestrutura. Essa aproximação minimiza os erros, torna os ambientes mais colaborativos e ainda aumenta a motivação das equipes, que devem receber feedbacks constantes e também ser geridas por profissionais que se preocupam com o ambiente, incentivam a colaboração e a troca entre os times.

Quais são os pilares da cultura de DevOps?

De modo geral, o termo DevOps agrupa diversos conceitos que formaram um movimento que tem se popularizado. Ele se relaciona à combinação da tecnologia com as atitudes e metodologias que mudam a maneira que a fabricação e entrega de software são realizadas, otimizando o fluxo para que equipes trabalhem em conjunto e entendam os desafios uns dos outros. Mais do que implementar processos, o DevOps requer uma mudança na cultura da empresa, que precisa implementar mudanças na maneira como as pessoas se relacionam e colaboram. Para conquistar seus objetivos, existem quatro pilares principais: comunicação, colaboração, automação e monitoração. Conheça melhor cada um deles abaixo.

Comunicação

As equipes costumam se concentrar em demandas diferentes, uma vez que os profissionais responsáveis pela infraestrutura precisam proteger o ambiente tecnológico da empresa, enquanto a equipe de desenvolvimento precisa realizar entregas rápidas e precisam de novos ambientes de desenvolvimento para acelerar as testagens e subir novas atualizações. Conflitos podem ocorrer durante esse processo. Por isso, no DevOps, a comunicação é um pilar importante que tem como objetivo criar processos que melhorem a relação entre os times e a integração de pessoas.

Colaboração

Mais do que se comunicar, as equipes precisam se apoiar e trabalhar em conjunto. Por isso, passa a ser necessária a colaboração entre os times, de modo que possam discutir soluções e testá-las para lidar com as demandas que surgirem.

Automação

Muitas empresas e equipes de TI ainda contam com etapas manuais de operações, o que torna o trabalho mais devagar e com mais chances de erros. Para evitar que isso ocorra, a DevOps utiliza automações para que as tarefas sejam realizadas com mais rapidez e eficiência. Algumas delas são:

  •   Integração contínua – é usada para automatizar os processos de compilação, teste e implantação do código-fonte. Isso tem como objetivo permitir que muitos desenvolvedores possam trabalhar em diferentes funcionalidades, ao mesmo tempo, para o mesmo projeto. Para realizar o controle de versão, a equipe consolida as mudanças no código a uma ramificação compartilhada, também conhecida como tronco. As mudanças são consolidadas e validadas por meio de uma criação automática da aplicação. Em caso de conflito, os bugs podem ser resolvidos rapidamente.
  •   Entrega Contínua – depois que os testes e compilações são realizados na CI, a Entrega Contínua (CD) é usada para automatizar a entrega de novas funcionalidades para produção. Com isso, a base de códigos está sempre pronta para implantação no ambiente de produção com rapidez e facilidade.
  •   Implantação Contínua – é um complemento da entrega contínua e automatiza o lançamento das versões que estão finalizadas em um repositório de códigos. Com isso, após os testes e validações o código está pronto para ser alterado no ambiente da produção.
  •   DevOps Testing – trata-se da prática de testar softwares como parte do fluxo de trabalho DevOps. Inclui testes automatizados e testes de aceitação, bem como testes de performance e testes de segurança. Isso ajuda a garantir que o software seja entregue com qualidade e seja seguro e estável.

Monitoração

Já o pilar de monitoração trata do acompanhamento das etapas, com o objetivo de analisar o que está funcionando e o que precisa ser otimizado. Diversas ferramentas podem ajudar nessa tarefa, gerando relatórios automatizados, mas é preciso ter um padrão de controle, estabelecer métricas e compreender os resultados para propor melhorias.

Qual é a importância do DevOps?

O mundo está em um processo de transformação acelerado, graças à tecnologia. Assim como as empresas de mercadorias físicas transformaram a maneira de projetar, criar e disponibilizar produtos por meio de automação industrial no século 20, as empresas de hoje devem transformar a maneira como criam e disponibilizam software. Além disso, o software deixou de ser uma atividade empresarial e tornou-se um componente integral de cada parte de uma empresa, que os utilizam para diversas tarefas. Com isso, é natural que surjam novas maneiras de realizar os processos, para atender às novas necessidades. O DevOps começou a ganhar força a partir de 2008, com a finalidade de aperfeiçoar processos de forma contínua e simplificada. Para tanto, utiliza uma série de estratégias que fazem parte do pipeline DevOps e ajudam a alcançar tais objetivos. Podemos dizer que as práticas do DevOps revolucionaram a indústria de desenvolvimento de várias maneiras, inclusive proporcionando características importantes para o processo como: agilidade, qualidade, eficiência, segurança e colaboração. Além disso, elas também melhoraram a capacidade de experimentação e aprendizado e ajudaram a popularizar a utilização de metodologias ágeis e as práticas e ferramentas de automação. Com as práticas de DevOps é possível realizar a implementação de processos mais eficientes e a redução do ciclo de vida da produção dos softwares em todas as fases do planejamento, do desenvolvimento, da entrega e da operação. Tudo para atender à dinâmica da nova economia digital.