25.6 C
São Paulo
terça-feira, abril 16, 2024

Inteligência artificial

Inteligência artificial

O que é inteligência artificial e como ela funciona?

É definida como inteligência artificial o ramo da computação que tem como objetivo desenvolver algoritmos e técnicas que possibilitam que máquinas realizem tarefas que normalmente dependem de inteligência humana.  Ela funciona por meio de algoritmos que criam regras complexas, capazes de resolver problemas sozinhos, podendo ou não usar o machine learning (aprendizado de máquina) para isso.  Porém, existem modos diferentes de aprendizado, como em métodos que as informações são inseridas por programadores para determinar o que é certo ou errado (aprendizado supervisionado), com algoritmos que reconhecem padrões e relações nos dados sem a necessidade de respostas corretas conhecidas (aprendizado não supervisionado), entre outros.

Qual é o principal objetivo da inteligência artificial?

O principal objetivo da inteligência artificial é desenvolver tecnologias que consigam simular a rede neural humana. Ou seja, máquinas com “inteligência parecida com a nossa”, que podem tomar decisões, entender contextos, evoluir baseado no que está acontecendo, entre outros exemplos. O próprio algoritmo do TikTok, rede social febre do momento, é um exemplo disso. Conforme o tempo que o usuário passa assistindo um de seus vídeos e/ou a pesquisa que ele faz, a IA aprende e cria um feed de exibição ainda mais personalizado. Como consequência desse processo, que costuma ser bastante assertivo, a pessoa se sente mais satisfeita com o que está assistindo. Mais do que isso, encontra uma sequência de vídeos semelhantes ao que ela gosta. Dessa forma, passa mais tempo na rede social em questão sem nem perceber. Toda plataforma de interação possui uma inteligência artificial que age como algoritmo. No entanto, algumas são mais funcionais do que outras.

Quais são os principais benefícios da inteligência artificial?

Foi-se o tempo em que as tecnologias eram utilizadas somente para a realização de tarefas repetitivas. A inteligência artificial veio para nos mostrar que isso mudou. Até porque, além de realizar com excelência tarefas assim, a IA pode realizar demandas que precisam de análise e tomada de decisão. Fora aquelas que são utilizadas como parte de um processo de automação.  Juntamente com outros tipos de software e com o apoio de big data, a tecnologia inovadora pode ajudar, até mesmo, na hiper personalização de processos. Principalmente, devido ao aprimoramento constante por meio do uso de bancos de dados. Ou seja, a cada interação executada, a IA se torna ainda mais inteligente. Outros benefícios do seu uso são:

  • redução de custos operacionais, uma vez que uma única tecnologia é capaz de realizar várias tarefas;
  • auxílio na tomada de decisões, ao conseguir puxar rapidamente o histórico de tudo o que aconteceu;
  • melhora do atendimento por meio de ferramentas como chatbots que utilizam de inteligência artificial, tornando todo o processo de atendimento mais humanizado, mesmo sendo feito por máquinas;
  • potencialização de campanhas de marketing e ações empresariais graças à possibilidade de aprender com os resultados de cada campanha. 

Basicamente, a aprendizagem constante traz mais assertividade para diversas aplicações.

Quais são os tipos de inteligência artificial?

Os tipos de inteligência artificial se diferem pelo propósito e pela abordagem. De um modo geral, elas são divididas em três categorias principais:

  • Inteligência Humanóide;
  • Inteligência de Máquina;
  • Inteligência Coletiva.

O primeiro tipo tem como propósito imitar o comportamento humano. Essas máquinas são programadas para se comportar de forma semelhante aos seres humanos, realizando tarefas como conversar, reconhecer faces ou expressar emoções. Sua aplicação tem a ver com a criação de interfaces digitais mais humanizadas e inteligentes em dispositivos. Já a Inteligência de Máquina é aquela utilizada em processos de automação. São, por exemplo, tecnologias capazes de reconhecer padrões, realizar tomadas de decisões lógicas ou aprender a partir de experiências anteriores. Com isso, elas podem realizar tarefas como reconhecimento de fala, reconhecimento de imagem, processamento de linguagem natural, entre outras. Por fim, o último tipo é a Inteligência Coletiva. A partir de uma rede conectada, que pode utilizar ou não a Internet das Coisas(IoT), esse tipo de IA consegue tomar decisões em conjunto. Essas redes são formadas por múltiplos agentes inteligentes interconectados, que trabalham juntos para solucionar problemas. A IA coletiva é aplicada em tarefas como inteligência de sistemas de transporte, inteligência de sistemas financeiros, inteligência de sistemas de saúde, entre outras. Vale lembrar que existem outras maneiras de classificar os tipos de inteligência artificial. Utilizamos o modo mais abrangente, mas elas podem ser classificadas também de acordo com suas características operacionais, resultando em classificações como IA Reativa, IA de Memória Limitada, IA de Teoria da Mente e IA Autoconsciente.

Quais são as tecnologias por trás da inteligência artificial?

A inteligência artificial pode ser combinada com outras tecnologias para aumentar a sua eficácia e resolver problemas, sendo as mais utilizadas: big data, machine learning e internet das coisas. Com big data, a IA não só coleta uma enorme quantidade de dados, como gera aprendizado a partir disso. Ela pode aprender com essas informações, se tornando mais assertiva. Enquanto isso, machine learning está relacionado ao aprendizado, ou seja, utilizar todos os dados armazenados para gerar insights. Tal comportamento acontece a partir do entendimento de padrões. Já a Internet das Coisas diz respeito à inteligência coletiva. São diferentes partes das tecnologias que se conectam, de modo a aprender umas com as outras, além de tornar o processo mais automatizado.

Como a inteligência artificial está sendo usada?

O interessante é que a inteligência artificial é utilizada em diferentes áreas. Por exemplo: na medicina, ela auxilia no suporte ao diagnóstico. Isto é, por causa do seu amplo conhecimento, associa sintomas com doenças. Isso sem falar que ela pode, também, interpretar resultados de exames e reconhecer padrões em imagens. Na educação, a IA auxilia tanto nos processos de gestão, como no próprio aprendizado dos alunos. Um exemplo disso é a própria gamificação do ensino, que cria níveis, baseado nas dinâmicas dos jogos, criando uma experiência mais imersiva do aprendizado. Ela também é aplicada no setor judiciário. No conceito de Justiça 4.0, a tecnologia auxilia com a agilidade e a coerência de processos. Em 2022, já eram mais de 111 projetos desenvolvidos, com diferentes aplicações na área, mas sempre com o propósito de trazer maior eficácia aos tribunais.

Como definir uma estratégia de utilização para a inteligência artificial?

Existem 3 passos básicos que podem guiar na criação de uma estratégia de utilização para a inteligência artificial ainda mais assertiva. O primeiro deles é entender o seu mercado e a aplicação da tecnologia. Aqui vale até mesmo realizar um estudo com a concorrência nacional e internacional para entender as possibilidades. O segundo passo é compreender que as máquinas não substituem humanos. É claro que para processos automatizados elas têm o seu valor. No entanto, a tecnologia ainda precisa ser configurada com alguém e, mais que isso, precisa de pessoas analisando seus resultados para tornar o seu uso eficiente. E, um último passo, é apostar em uma coleta de dados eficiente. São eles que servirão de insumo para a tecnologia. Além do mais, auxiliam a entender padrões e, a partir disso, assimilar com mais facilidade e velocidade o que está acontecendo.