17.6 C
São Paulo
sexta-feira, junho 21, 2024
InícioTransformação digitalInteligência artificialRen Xiarong: conheça a âncora de telejornal feita por inteligência artificial na...

Ren Xiarong: conheça a âncora de telejornal feita por inteligência artificial na China

Ren Xiaorong é a mais nova âncora de notícias virtuais baseadas em inteligência artificial do People’s Daily da China. No entanto, ela não é a primeira. Antes dela veio o Guo Guo, apresentado em 2019, e era baseado em um repórter real, o chinês Guo Xinyu.

Além deles, outros meios de comunicação estatais da China, como o Xinhua, Beijing TV, Hunan TV e CCTV, também introduziram seus próprios âncoras virtuais alimentados por IA. O surgimento desses apresentadores faz parte de uma tendência crescente no mercado virtual da China.

Essa tecnologia tem se desenvolvido rapidamente nos últimos anos, e a China tem sido uma das líderes nesse quesito. O país tem sido um pioneiro no uso de âncoras virtuais em notícias e outras áreas, como entretenimento e publicidade. O papel deles como apresentadores é oferecer uma experiência mais envolvente para o público e, ao mesmo tempo, economizar custos, pois conseguem apresentar os jornais 24 horas por dia e 7 dias por semana, sem remuneração.

O surgimento de Ren Xiaorong e outros âncoras virtuais na China também reflete a crescente importância da inteligência artificial no país. A China tem investido pesado em IA nos últimos anos, tanto em termos de pesquisa quanto de aplicação prática. Esses investimentos resultam em avanços significativos em diferentes áreas, como reconhecimento de voz, reconhecimento facial e processamento de linguagem natural, fundamentais para que os apresentadores virtuais exerçam sua função.

Embora a tecnologia de âncoras virtuais possa parecer futurista e inovadora, ela não é imune a críticas. Algumas pessoas argumentam que os âncoras virtuais são menos autênticos e menos capazes de transmitir emoções que os apresentadores humanos, enquanto outros demonstram preocupações com o potencial da tecnologia para substituir trabalhadores humanos em setores como o jornalismo.

Apesar dessas preocupações, os âncoras virtuais continuam a se espalhar na China e em outros lugares. Como resultado, é provável que a tecnologia continue a evoluir e melhorar nos próximos anos, oferecendo benefícios adicionais em termos de eficiência e experiência do usuário. À medida que a tecnologia avança, é importante que os criadores e usuários dos âncoras virtuais considerem questões como a ética e o impacto potencial no mercado de trabalho.

Imagem: People’s Daily via What’s on Weibo

Assine nossa Newsletter para receber os melhores conteúdos do Itshow em sua caixa de entrada.

Erika Rodrigues
Erika Rodrigues
Sou repórter e redatora no Itshow. Já produzi diversas matérias como jovem repórter do Núcleo de Jornalismo Investigativo da Record TV, onde também fiz parte da equipe de apuração da Agência Record, abastecendo os principais jornais da casa, além do portal R7. Com dedicação e comprometimento, estou sempre em busca de novos desafios e oportunidades de crescimento em carreira.
Postagens recomendadas
Outras postagens