16.3 C
São Paulo
quinta-feira, junho 20, 2024
InícioCibersegurançaScorecard de Avaliação dos Padrões de Segurança Cibernética na RSAC 2024

Scorecard de Avaliação dos Padrões de Segurança Cibernética na RSAC 2024

Bem-vindos à 30ª matéria da nossa série exclusiva Por dentro da RSAC, onde nosso colunista Allex Amorim nos leva para dentro de um painel fascinante liderado pelo palestrante James Tarala, sócio-gerente da Cyverity. Esse painel inovador avalia os padrões de segurança cibernética através de um meticuloso “scorecard”. Chamado de Cyber ​​Rosetta Stone, ela permite aos participantes discernir claramente as nuances e aplicabilidades de cada padrão, tornando-se uma ferramenta essencial para a tomada de decisões estratégicas nas organizações.

Desvendando o Scorecard Cibernético

A Necessidade de Comparação Objetiva

No universo da segurança cibernética, é comum assumir que todos os padrões são equivalentes em eficácia e aplicabilidade. No entanto, o painel desta edição destacou a diversidade entre os padrões, desafiando essa percepção comum. Foi salientado como as organizações frequentemente optam por padrões baseados em popularidade ou familiaridade, sem uma metodologia objetiva para avaliá-los.

O especialista no painel discutiu a importância de uma análise crítica ao escolher um padrão de segurança, como o Scorecard . Ele sugeriu que, além de considerar a popularidade do padrão, as organizações devem avaliar sua relevância e eficácia em relação ao tipo específico de ameaças que enfrentam. Este ponto ressalta a necessidade de um processo de seleção mais estratégico e informado.

Para exemplificar, a sessão abordou como diferentes padrões servem a diferentes necessidades de segurança, desde a proteção de infraestruturas críticas até a gestão de riscos em ambientes corporativos. Esta variedade exige que os profissionais de segurança não só conheçam os detalhes de cada padrão, mas também compreendam profundamente o contexto operacional de suas organizações.

Avaliação Anual e Metodologia Flexível

A sessão também destacou que os padrões são reavaliados anualmente com base no feedback da comunidade, refletindo um compromisso com a melhoria contínua. Esta prática assegura que o scorecard permaneça relevante e útil diante das rápidas mudanças no cenário de ameaças cibernéticas, promovendo ajustes e atualizações que respondem às novas vulnerabilidades e técnicas de ataque.

O organizador do painel explicou que a metodologia para avaliar os padrões é adaptável, permitindo que diferentes organizações personalizem o scorecard de acordo com suas necessidades específicas. Isso é crucial porque permite uma defesa cibernética mais eficaz e personalizada, que pode ser ajustada para proteger melhor os ativos digitais críticos de uma organização.

Durante a discussão, foi apresentado um caso de uso em que uma organização ajustou os critérios do scorecard para focar mais em controles de governança e menos em medidas técnicas, com base em sua estrutura organizacional e requisitos regulatórios. Esta flexibilidade é uma das principais vantagens do scorecard, permitindo que cada entidade moldure sua abordagem de segurança de maneira mais eficiente e focada.

Insights de James Tarala

James Tarala, sócio-gerente da Cyverity e o principal palestrante do painel, forneceu insights profundos sobre como os diferentes padrões de segurança cibernética podem ser aplicados efetivamente nas organizações. Ele destacou que, embora existam muitos padrões disponíveis, a chave para uma segurança eficaz está na seleção e implementação que alinhem com os objetivos específicos e o contexto de cada empresa.

Tarala enfatizou a importância de não apenas escolher um padrão por sua popularidade, mas realmente entender as forças e limitações de cada um. Por exemplo, ele discutiu as diferenças entre padrões focados em governança em comparação com aqueles mais orientados para aspectos técnicos da segurança. Esta distinção é crucial para empresas que podem precisar de uma abordagem mais personalizada para lidar com suas preocupações de segurança específicas.

Além disso, Tarala abordou a evolução dos padrões ao longo do tempo. Ele mencionou que a capacidade de um padrão de se adaptar e incorporar novas ameaças é tão importante quanto seu conteúdo original. Isso ressalta a necessidade de uma revisão constante e feedback da comunidade para manter os padrões relevantes e eficazes frente ao dinâmico cenário de ameaças cibernéticas. Segundo ele, esta sessão não apenas fornece uma base para escolher um padrão, mas também serve como um lembrete do compromisso contínuo necessário para manter a segurança robusta e proativa.

Encerrando a cobertura deste painel, percebo que ferramentas como o Cyber Rosetta Stone são indispensáveis para decifrar a complexidade dos padrões de segurança cibernética. Ao oferecer uma comparação clara e objetiva, o scorecard não só esclarece as diferenças entre os padrões mas também guia as organizações na escolha de estratégias de defesa mais adequadas a suas necessidades específicas.

A sessão reforçou a importância da educação e do discernimento na segurança cibernética. Em um mundo cada vez mais interconectado, onde as ameaças digitais são uma constante, fortalecer nossa capacidade de resposta é crucial. Este painel contribui significativamente para esse objetivo, equipando os profissionais com o conhecimento necessário para construir uma infraestrutura de segurança robusta e adaptável.

Assine nossa Newsletter para receber os melhores conteúdos do Itshow em sua caixa de entrada.

Allex Amorim
Allex Amorimhttp://www.allexamorim.com.br/
Mais de 20 anos de experiência em diversos setores, especializando-se em Tecnologia, LGPD e Segurança da Informação. Desenvolveu e executou planos de segurança, gerenciou crises e equipes multidisciplinares, além de atuar como conselheiro consultivo. Escreveu sobre segurança e inovação, utilizou metodologias ágeis e dominou a gestão de equipes em ambientes complexos, destacando-se pela capacidade analítica, liderança, e habilidade em promover a colaboração e adaptabilidade.
Postagens recomendadas
Outras postagens