14.1 C
São Paulo
segunda-feira, julho 22, 2024
InícioTransformação digitalInteligência artificialTestamos o GPT-4, nova versão do modelo de IA do ChatGPT

Testamos o GPT-4, nova versão do modelo de IA do ChatGPT

A OpenAI anunciou hoje (14) o lançamento do seu novo modelo de linguagem de inteligência artificial, o GPT-4, que consegue resolver problemas mais complexos, além de gerar textos de até 25 mil palavras e aceitar buscas por imagens, das quais ele é capaz de entender o contexto. O Itshow já testou a novidade, e contamos tudo nesse post.

O anúncio foi feito no site da OpenAI e também em seu perfil no Twitter, confira acima. Segundo o paper (arquivo PDF), o GPT-4 é um modelo multimodal de larga escala (large-scale multimodal model) que aceita entradas de texto ou de imagens para produzir respostas em texto. 

Em uma live para desenvolvedores, o presidente e co-fundador da OpenAI, Greg Brockman, contou mais sobre o GPT-4. Na demonstração, Greg usou o GPT-4 para analisar o desenho de um mockup de um site de piadas, e criar o código de um site de verdade a partir dos rascunhos.

Assim, em breve será possível desenhar um site em um guardanapo no bar e depois pedir ao GPT-4 para transformar aquele rabisco em código.

GPT-4 já está disponível para usuários do ChatGPT Plus

GPT-4 já está disponível para usuários do ChatGPT Plus
Testamos o GPT-4, nova versão do modelo de IA do ChatGPT 4

O GPT-4 já está disponível para testes, basta ser um usuário do ChatGPT Plus. Além disso, a OpenAI também criou uma lista de espera para testar a API do GPT-4. Testamos aqui o ChatGPT usando o modelo do GPT-4 aqui na redação do Itshow, com resultados bem interessantes. 

GPT-4 aceita buscas visuais a partir de imagens 

Além de conseguir lidar muito melhor com problemas mais difíceis e questões mais complexas, o GPT-4 pode aceitar entradas em vídeo, além dos tradicionais prompts em texto.

Segundo a descrição da OpenAI, o GPT-4 gera respostas em texto (ou em código) analisando o contexto de uma imagem enviada, que pode ser uma foto, um diagrama ou uma captura de tela, por exemplo. 

Infelizmente não foi possível testar a capacidade do GPT-4 de fazer buscas por imagens, pois o recurso ainda não está disponível, pois ainda está em fase de pesquisas com uma única parceira, a Be My Eyes

GPT-4 vem sendo testado e já está integrado em alguns apps

Testamos o GPT-4, nova versão do modelo de IA do ChatGPT
Testamos o GPT-4, nova versão do modelo de IA do ChatGPT 5

Nos últimos anos, a OpenAI vem testando o GPT-4 com empresas parceiras, e conta que as diferenças dele para o GPT 3.5 são mais sutis nas conversações, e aparecem mais na complexidade de algumas tarefas.

Usando as palavras da empresa, o GPT-4 é “mais confiável, criativo, e capaz de lidar com instruções com muito mais nuances do que o GPT 3.5.”

O novo modelo foi avaliado em testes simulados nos Estados Unidos, como o bar exam (equivalente ao nosso exame da OAB) e a Olimpíada de Biologia e apresentou resultados melhores que o GPT 3.5.

Como foi nosso primeiro teste com o GPT-4 no ChatGPT

Pedi ao ChatGPT com GPT-4 para escrever um conto, e ele redigiu um texto de 700 palavras. Depois, pedi para ele fazer um guia completo sobre determinada tecnologia com 1000 palavras, e um artigo com 2500 palavras. O GPT-4 atendeu todos os pedidos.

Testamos o GPT-4, nova versão do modelo de IA do ChatGPT
Testamos o GPT-4, nova versão do modelo de IA do ChatGPT 6

Também fiz alguns exemplos sugeridos na live para desenvolvedores da OpenAI, como pedir para o ChatGPT com o GPT-4 criar resumir um post sobre Big Data em uma frase com palavras começando com a letra A, e esse foi o resultado: “Ampliando aplicações, Big Data aborda armazenamento, análise e benefícios variados.”

Sim, passaram algumas palavras com outras letras, mas mesmo assim considero uma boa resposta. Pedi a ele para resumir o release do GPT-4 com uma frase começando com a letra G, e ele gerou essa frase: “Gigantesco GPT-4 gerou grandiosas, geniais gerações globais.” Missão cumprida!

Além disso, fiz o mesmo pedido para criar um site básico no GPT 3.5 e no GPT-4, e os dois geraram códigos HTML, CSS e Javascript, mas os resultados do GPT-4 me pareceu mais limpo, além do que sua “documentação” foi bem mais detalhada, com instruções precisas sobre o que fazer.

Assine nossa Newsletter para receber os melhores conteúdos do Itshow em sua caixa de entrada.

Nick Ellis
Nick Ellis
Jornalista de tecnologia, designer de formação e um dos pioneiros da blogosfera brasileira, Nick foi o fundador e primeiro editor-chefe do TechTudo. É o criador dos sites Digital Drops e Blog de Brinquedo, além de ter sido o CEO do Meio Bit por mais de 12 anos. Tem mais de 15 anos de experiência gerenciando redações de tecnologia, além de ser redator de artigos, colunas e reviews de smartphones, TVs, tablets e notebooks, entre muitos outros produtos e serviços. Nick tem mais de uma década de experiência na cobertura das principais feiras e eventos de tecnologia do mundo como a CES, a Computex e a IFA, entre outras. Nos últimos 3 anos, foi editor de produtos, reviews e veículos no site Olhar Digital.
Postagens recomendadas
Outras postagens