28.9 C
São Paulo
terça-feira, abril 16, 2024
InícioLiderança de TIComo criar organizações com os princípios da humanocracia

Como criar organizações com os princípios da humanocracia

No mundo empresarial contemporâneo, a transformação organizacional está cada vez mais orientada para estruturas que valorizam a agilidade, a inovação e, acima de tudo, o elemento humano. 

Um exemplo palpável dessa evolução é o programa IT Partners Engagement na Bayer, que, sob nova liderança e inspirado na filosofia revolucionária da humanocracia, busca empoderar colaboradores e parceiros com um renovado senso de propriedade e responsabilidade. 

Foi o que Juliana Mendonça, coordenadora de processos e aplicações na Bayer, e Flavia Segura, especialista em experiência do usuário de TI na Bayer, trouxeram para o episódio 25 do podcast Itshow.

Este movimento estratégico não apenas alinha a Bayer com uma abordagem organizacional que enfatiza a redução da burocracia e um maior foco no cliente, mas também reitera seu compromisso com a missão de “Saúde para todos, Fome para ninguém”, transcendendo as expectativas imediatas e impactando a vida dos clientes finais. 

O apoio unânime da liderança e o cuidado meticuloso em harmonizar as ações do programa com as regulamentações aplicáveis ilustram um comprometimento profundo com a inovação operacional benéfica, marcando um período de mudanças significativas onde a adaptação e a proatividade se tornam os pilares para enfrentar a constante evolução. 

humanocracia
Imagem gerada por Inteligência Artificial (IA)

Transformando empresas com os princípios da humanocracia

A evolução para uma cultura de humanocracia representa uma mudança significativa nas práticas empresariais contemporâneas. Em um cenário onde o trabalho híbrido e remoto se torna a norma, as lideranças estão ajustando suas perspectivas em relação aos colaboradores, promovendo ambientes de trabalho mais colaborativos e orientados a resultados compartilhados. 

Uma pesquisa realizada pela Gallup revela um panorama preocupante: apenas 15% dos profissionais se sentem verdadeiramente engajados em seus trabalhos, enquanto 18% mostram-se completamente desinteressados pelas diretrizes ou suas obrigações, e uma maioria de 60% encontra-se apática, sem oferecer suas habilidades ou paixão. 

Esses dados são enfatizados por Gary Hamel e Michele Zanin em “Humanocracia: Criando Organizações tão Incríveis quanto as pessoas que as compõem”, livro onde propõem um modelo de gestão focado em equipes unidas e inovadoras, que comprovadamente geram melhores resultados, seja no aspecto financeiro ou organizacional.

O impacto da humanocracia no mercado de trabalho e na gestão organizacional

No centro da humanocracia está a ideia de que as pessoas, e não os processos ou estruturas, devem ser o foco central das organizações. Diferente dos modelos gerenciais tradicionais que priorizam o controle, a Humanocracia visa potencializar a contribuição individual para ampliar o impacto e a eficiência organizacional, substituindo a rigidez burocrática por uma cultura que valoriza e reconhece os colaboradores.

A discussão sobre a escassez de talentos ofusca uma questão igualmente crítica: o desperdício de potencial humano nas empresas. A prevalência de burocracia nas organizações tende a beneficiar apenas um pequeno grupo, deixando muitos funcionários desmotivados. 

Isso não só consome tempo em atividades de pouco valor, mas também restringe a inovação nas decisões e fomenta um individualismo contraprodutivo. Uma solução eficaz para esse problema seria proporcionar aos colaboradores mais oportunidades para contribuir com soluções criativas e novas ideias, enfatizando a importância do potencial humano na transformação organizacional.

AnyConv.com 1 12
Como criar organizações com os princípios da humanocracia 5

Ouça agora o episódio 25 do podcast Itshow disponível no Spotify!

Principais características da humanocracia

Meritocracia e reconhecimento

A abordagem humanocrática destaca o valor das contribuições individuais, estabelecendo um ambiente de meritocracia onde o progresso é determinado pelas competências e realizações pessoais, em detrimento de posições hierárquicas fixas.

Autonomia e capacitação

Sob esse sistema, há um aumento significativo da autonomia individual e do empoderamento dos colaboradores, incentivando-os a tomar iniciativas, inovar e assumir responsabilidades. Essa liberdade funcional fomenta a criatividade e agiliza a tomada de decisões na organização.

Cultura de transparência

Prioriza-se uma cultura de abertura, com partilha franca de informações, o que fomenta a confiança e a participação ativa dos membros da equipe. Essa transparência assegura que todos estejam alinhados com os objetivos, desafios e direção estratégica da empresa.

Colaboração sem fronteiras

Promove-se uma colaboração sem barreiras hierárquicas, incentivando o trabalho conjunto de equipes multidisciplinares para a resolução de problemas e a maximização de oportunidades, melhorando assim a eficiência e a inovação.

Cultura de experimentação

Encoraja-se a experimentação e o aprendizado contínuo, valorizando os erros como oportunidades para o desenvolvimento e aprimoramento de novas estratégias e soluções.

Liderança compartilhada

Implementa-se um modelo de liderança distribuída, onde a liderança é exercida com base na expertise e na situação, permitindo que diferentes pessoas assumam papéis de liderança conforme necessário.

AnyConv.com 2 12
Como criar organizações com os princípios da humanocracia 6

Quer saber mais sobre humanocracia? Baixe agora o nosso material de apoio completo!

Adaptação e flexibilidade

As estruturas organizacionais tornam-se adaptáveis e maleáveis, capacitando a organização a responder com agilidade às dinâmicas de mercado e às necessidades emergentes.

Centralidade humana

Posiciona as pessoas no cerne da organização, apreciando suas contribuições, fomentando seu crescimento e priorizando seu bem-estar, o que culmina em uma força de trabalho mais motivada e dedicada.

Inovação como pilar

A inovação é vista como fundamental, integrando-se continuamente novas ideias e métodos à cultura organizacional, propiciando um ambiente propício ao desenvolvimento criativo e à evolução constante.

Diversidade e inclusão

Valoriza-se a diversidade de pensamentos e experiências, reconhecendo que uma variedade de perspectivas contribui significativamente para a tomada de decisões mais ricas e para a promoção da criatividade organizacional.

Como implementar a humanocracia na sua empresa

  • Reconhecimento das habilidades, talentos e virtudes dos membros da equipe;
  • Foco no desenvolvimento de aspectos de liderança positiva, incluindo comunicação eficaz, busca de propósito no trabalho, fortalecimento do clima organizacional e aprimoramento das relações interpessoais;
  • Estímulo à prática de Job Crafting e Team Crafting para incentivar indivíduos e equipes a redefinirem suas funções, relações e percepções sobre o trabalho;
  • Utilização da Investigação Apreciativa e da Matriz SOAR para explorar as forças do grupo, identificar oportunidades de crescimento, definir a identidade desejada para a organização, estabelecer áreas de criação de valor e objetivos a serem atingidos;
  • Integração de comportamentos e atitudes trabalhadas com ferramentas estratégicas e planejamento de metas, como Canvas, OKR e BSC, para alinhar desenvolvimento pessoal e objetivos organizacionais.
humanocracia
Imagem gerada por Inteligência Artificial (IA)

Repensando a gestão: Entre o controle e a potencialização do talento

É inegável que carregamos uma pesada herança da era industrial. Mesmo com a introdução de novas práticas de gestão e estruturas organizacionais, o desafio de superar a predominância de comando e controle no nosso pensamento é considerável.

Isso nos leva a refletir: estamos empregando a tecnologia para potencializar as habilidades dos nossos colaboradores ou para mantê-los sob vigilância? Os paradigmas atuais tendem a favorecer a conformidade em detrimento da valorização das contribuições individuais.

Entre as práticas que ilustram essa realidade estão: a busca por um perfil ideal de colaboradores, a ênfase excessiva na adequação cultural, avaliações que focam unicamente no desempenho individual e programas de desenvolvimento que atendem exclusivamente aos interesses da organização.

Assine nossa Newsletter para receber os melhores conteúdos do Itshow em sua caixa de entrada.

Fernanda Martins
Fernanda Martins
Formada em Letras, com pós em mídias sociais, e redatora do portal de notícias Itshow. Já escreveu para vários blogs de cultura pop, produziu conteúdo no Facebook e no Instagram sobre literatura e até escreveu algumas fanfics pela internet. Hoje, se especializa em redação e usa suas habilidades de escrita crítica e literária para trazer mais sensibilidade aos textos e continuar fazendo o que ama.
Postagens recomendadas
Outras postagens