29.2 C
São Paulo
sábado, fevereiro 24, 2024
InícioCibersegurançaCiberguerra e ciberterrorismo são temas de palestra no Mind The Sec 2023

Ciberguerra e ciberterrorismo são temas de palestra no Mind The Sec 2023

Em sua palestra no Mind The Sec 2023, evento realizado de 12 a 14 de setembro no Espaço Transamérica, Cleórbete Santos, Professor da Associação dos Diplomados na Escola Superior de Guerra, trouxe reflexões profundas sobre o cenário de segurança cibernética para a alta liderança de TI.

Abordando o tema “A inteligência no mundo das ciberguerras e cibercrimes”, Santos salientou a necessidade de se ter uma percepção da inteligência artificial que vai além do presente. A coleta de dados offline e online, seguida de uma análise cuidadosa, é essencial para a extração de conhecimentos relevantes. As lideranças de TI, portanto, devem observar as situações não apenas como são, mas pela perspectiva do que já foram e o que podem vir a se tornar.

Um aspecto destacado por Cleórbete foi a diferença entre “ciberguerra” e “Cyber Warfare”. Enquanto a primeira tem uma conotação ampla, o Cyber Warfare refere-se às formas específicas de se fazer guerra no ciberespaço, como ataques cibernéticos que complementam operações militares tangíveis. Ele lembrou episódios históricos como os confrontos da Rússia contra Estônia, e Geórgia e Ucrânia, onde o Cyber Warfare teve um papel decisivo.

Ao citar o SR-71 Blackbird da Lockheed Martin, Santos rememorou: “Assim como o mundo da aviação viu inovações surpreendentes, como os primeiros aviões invisíveis, a cibersegurança deve se manter na vanguarda tecnológica para enfrentar novas ameaças.” 

Palestra Cleórbete Santos Mind The Sec 2023
Cleórbete Santos fala sobre cyberguerra no Mind The Sec 2023

Além disso, ele chamou a atenção para o crescente mercado de Cybercrime-as-a-Service (CaaS) que prospera tanto na Deep Web quanto na Surface Web. “A facilidade com que serviços de hacking e venda de dados são agora acessíveis coloca todas as organizações em risco”, alertou.

Revelando a preocupante notícia sobre o acesso irrestrito ao sistema de câmeras Cortex do Brasil por organizações criminosas, como o PCC, Santos comentou: “Estamos vivendo em tempos onde nossa privacidade e segurança estão constantemente sob ameaça, com autoridades e cidadãos sendo monitorados ilicitamente.”

Em relação às ciberameaças avançadas, Santos afirmou que “os criminosos muitas vezes estão um passo à frente, demonstrando a necessidade de soluções proativas em cibersegurança.” Desafiando a atual postura majoritariamente defensiva no mundo da segurança da informação, Santos fez um chamado para uma mudança de mindset. A reatividade, segundo ele, deve dar lugar a uma atuação mais proativa, possível através da Cyber Threat Intelligence.

Ele também abordou o aterrador conceito de crimes virtuais com consequências reais, apontando que “a realidade agora é que simples invasões podem levar a consequências mortais, como alterações de registros médicos.” 

A falta de uma definição clara sobre o que se classifica como “ciberterrorismo” também foi tema de discussão. No entendimento do professor, na literatura atual, ciberterrorismo se refere a ataques direcionados a infraestruturas essenciais, motivados muitas vezes por ideologias ou agendas políticas específicas.

Palestra Cleórbete Santos Mind The Sec 2023
Cleórbete Santos fala sobre cyberguerra no Mind The Sec 2023

Sobre o Information Disorder, Santos enfatizou: “Não é apenas sobre ‘fake news’ mais. A manipulação de informações via Inteligência Artificial está direcionada principalmente a influenciadores digitais, com textos falsos inseridos em portais, sendo uma ameaça crescente.”

Santos também esclareceu sobre os perigos associados ao carregamento de dados em blockchains públicas. “Uma vez inserido em uma blockchain, é quase impossível remover, e isso tem implicações sérias para a propriedade intelectual”, advertiu.

Referindo-se a ataques emergentes, ele comentou sobre o “prompt injection”, lembrando trabalhos anteriores, e introduziu os conceitos de “cerebral spyware” e “mental malware”, enfatizando a ameaça da manipulação online.

Em suas palavras finais, Santos aconselhou os líderes de TI a mapearem seus ativos corporativos para entender o caminho potencial de um hacker, sugerindo que “metodologias como nanosegmentação e microsegmentação são imprescindíveis para conter invasores.”

Em um mundo cada vez mais digital e conectado, as palavras de Cleórbete Santos ressoam como um chamado urgente para a comunidade de TI repensar e fortalecer suas estratégias de cibersegurança e que a preparação, antecipação e uma atuação baseada em inteligência são mais importantes do que nunca.

O Mind The Sec 2023 já terminou, porém, você acompanha conteúdos exclusivos na cobertura completa nas nossas redes sociais.

Fernanda Martins
Fernanda Martins
Formada em Letras, com pós em mídias sociais, e redatora do portal de notícias Itshow. Já escreveu para vários blogs de cultura pop, produziu conteúdo no Facebook e no Instagram sobre literatura e até escreveu algumas fanfics pela internet. Hoje, se especializa em redação e usa suas habilidades de escrita crítica e literária para trazer mais sensibilidade aos textos e continuar fazendo o que ama.
Postagens recomendadas
Outras postagens