27.8 C
São Paulo
sábado, junho 15, 2024
InícioTransformação digitalDesvendando os mistérios das redes neurais artificiais

Desvendando os mistérios das redes neurais artificiais

Na era tecnológica atual, a Inteligência Artificial (IA) se destaca como um farol de progresso, que, de certa forma, reflete as operações do cérebro humano: a Rede Neural Artificial (RNA). Para compreender a essência das RNAs, é preciso simular a função do cérebro humano. Embora a replicação exata permaneça um objetivo distante, as RNAs oferecem um começo promissor. Seus elementos fundamentais são:

1. Neurônios

No centro da rede, estão os neurônios ou nodos. Análogos aos neurônios do nosso cérebro, essas unidades aceitam entrada, processam-na (geralmente através de uma função não linear) e propagam uma saída. Esta função é normalmente conhecida como “função de ativação”.

2. Conexões

Servindo como rodovias para os dados, as conexões ligam os neurônios. Sua importância na transmissão de sinais é medida por pesos, que se ajustam durante o aprendizado.

3. Camadas

Os neurônios se organizam em camadas. Normalmente, uma RNA possui uma camada de entrada (recebendo dados iniciais), várias camadas ocultas (processando dados) e uma camada de saída (transmitindo o resultado final da rede).

Redes Neurais Profundas

Enquanto as RNAs são fundamentais, seu potencial se amplifica quando as camadas são empilhadas extensivamente, levando às Redes Neurais Profundas (RNP). A ‘profundidade’ lhes permite capturar padrões intrincados e relações multifacetadas nos dados, por meio da construção de “resumos sucessivos”. 

Em outras palavras, cada camada gera uma espécie de resumo de seus dados de entrada, e, ao empilhar diversas camadas, a rede neural profunda adquire a capacidade de resumir uma grande massa de dados de entrada (por exemplo: um vídeo, uma imagem, um trecho de áudio, uma série temporal).

Destaque para as Arquiteturas RNP:

1. Redes Neurais Convolucionais (CNNs)

Feitas sob medida para estruturas de dados semelhantes a grades, como imagens, as CNNs empregam camadas convolucionais. Essas camadas examinam a entrada em blocos sobrepostos, identificando padrões como texturas, formas e contornos. Esta inspeção meticulosa as torna adeptas em tarefas de interpretação de imagem.

redes neurais artificiais
Imagem gerada por Inteligência Artificial (IA)

2. Redes Neurais Recorrentes (RNNs)

Dados sequenciais, como frases ou séries temporais, exigem memória para processamento eficaz. As RNNs, com sua estrutura de loop, lembram-se das entradas anteriores. No entanto, essas memórias são efêmeras. 

Abordando essa limitação, estão as redes Long Short-Term Memory (LSTM), um subtipo de RNN. Sua arquitetura incorpora portões que regulam o fluxo de informações, melhorando a memória e as capacidades de aprendizado da rede para sequências prolongadas.

3. Modelos transformadores

Mudando o jogo no Processamento de Linguagem Natural (PLN), os transformadores evitam a recorrência, mas integram mecanismos de atenção. Esses mecanismos permitem que o modelo ‘focalize’ em várias porções da entrada com intensidades diferentes, facilitando a compreensão e a interpretação de nuances. GPT-2, GPT-3 e GPT-4 da OpenAI exemplificam o poder transformador desta arquitetura.

Aplicações da Rede neural artificial: Unindo teoria e prática

No ‘mundo real’, a RNA pode se manifestar das seguintes formas:

1. Visão Computacional

Classificação de imagens: As CNNs transcenderam as categorizações básicas de imagens. No campo médico, elas filtram radiografias, destacando anomalias que podem indicar doenças, reduzindo erros de diagnóstico. 

Em estudos geoespaciais, imagens de satélite passam pelo escrutínio das CNNs para classificar terrenos, auxiliando no planejamento urbano e nas avaliações ambientais. Reconhecimento facial: Além da simples identificação, as DNNs avançadas podem discernir variações faciais mínimas, sugerindo emoções ou mesmo parâmetros de saúde. 

Esse reconhecimento nuanceado, ou que tem vários significados, encontra aplicações em vigilância, recomendações adaptativas de conteúdo na mídia e até mesmo diagnósticos de saúde precoce.

Detecção de objetos: Reconhecer apenas a classe de um objeto não é suficiente para muitas aplicações. Sistemas determinam a localização e escala de múltiplos objetos em uma imagem, ajudando em cenários que vão desde a condução autônoma até o rastreamento de vida selvagem.

2. Previsão de séries temporais

Previsão de preços de ações: A natureza caprichosa do mercado de ações sempre intrigou os analistas. As DNNs, armadas com camadas que discernem padrões complexos de dados históricos extensos, oferecem previsões nuanceadas. Embora garantir retornos permaneça utópico, esses modelos fornecem aos traders insights valiosos, temperando os riscos.

Previsão do tempo: O domínio meteorológico se beneficia imensamente das RNAs. Modelos tradicionais lutam com a natureza inerentemente caótica dos sistemas meteorológicos. Armadas com vastos conjuntos de dados históricos, as RNAs se aproximam de previsões climáticas precisas de curto prazo e regionais, essenciais para a agricultura, gestão de desastres e vida cotidiana.

redes neurais artificiais
Imagem gerada por Inteligência Artificial (IA)

3. Processamento de Linguagem Natural (PLN)

Chatbots e assistentes virtuais: Evoluindo além de respostas pré-programadas, as RNAs avançadas equipam chatbots com entendimento de contexto, sentimento e intenção, culminando em interações quase humanas. Essa evolução melhora o atendimento ao cliente, aplicativos de saúde mental e até sistemas de tutoria.

Serviços de tradução: Traduzir não é apenas um exercício lexical; é uma arte imersa em contexto, nuance e cultura. As DNNs modernas capturam essa essência, oferecendo traduções que ressoam com o tecido cultural e contextual do público-alvo.

Análise de sentimento: Não se trata apenas de avaliar feedback ‘bom’ ou ‘ruim’. DNNs mergulham profundamente em dados não estruturados, extraindo sentimentos intrincados que moldam estratégias de produto, campanhas políticas e conteúdo de entretenimento.

Preocupações e o caminho a seguir

Embora as aplicações mencionadas pintem um quadro promissor, é essencial abordar as preocupações éticas e práticas que cercam as RNAs. Essas redes geralmente requerem vastos dados, que, se obtidos de forma antiética, poderiam violar normas de privacidade. Além disso, a natureza “caixa preta” das DNNs, onde sua lógica de tomada de decisão não é transparente, levanta questões de responsabilidade.

A jornada das RNAs, desde sua conceitualização até as aplicações contemporâneas, é um testemunho da engenhosidade humana. À medida que nos posicionamos à beira de mais descobertas, pesquisas contínuas, considerações éticas e colaborações interdisciplinares determinarão a trajetória das RNAs e, por extensão, o futuro da IA.

Alexandre Ashade
Alexandre Ashade
Especialista em Inteligência Artificial e Métodos de Apoio à Decisão, incluindo modelagem preditiva e algoritmos de otimização. Doutor e Mestre em Inteligência Artificial, com patente depositada e artigos publicados. Experiência como pesquisador em projetos de P&D para grandes empresas como PETROBRAS, LIGHT e TAG. Experiência como professor da PUC-RJ em cursos de extensão nas áreas de Inteligência Artificial e Óleo & Gás. Professor do curso BI Master da PUC-Rio. Domina metodologias de Deep Learning com Redes Neurais Profundas, Data Mining, classificação de padrões, previsão, otimização linear, não-linear e sob incertezas, programação matemática e processos estocásticos. Experiência de 10 anos em desenvolvimento de sistemas de software, utilizando as linguagens Python, C#, C++, Java e a ferramenta de análise de dados MATLAB. Quatro prêmios de excelência acadêmica.
Postagens recomendadas
Outras postagens