22.8 C
São Paulo
sábado, fevereiro 24, 2024
InícioCibersegurançaO que é DevSecOps e como implementar uma cultura de segurança na...

O que é DevSecOps e como implementar uma cultura de segurança na sua empresa

O que é DevSecOps?

DevSecOps é a integração de “desenvolvimento, segurança e operações”, enfatizando a importância da segurança desde o início e ao longo de todas as etapas de desenvolvimento de software. Esta abordagem surgiu como uma resposta à necessidade de combater as ameaças cibernéticas em constante evolução, garantindo que as práticas de segurança sejam incorporadas desde a concepção até a implementação de qualquer projeto de TI. Ao invés de considerar a segurança como uma reflexão posterior ou uma fase separada, o DevSecOps promove uma integração contínua, permitindo que vulnerabilidades sejam abordadas quando são mais fáceis e econômicas de corrigir, ou seja, antes que o software seja produzido de fato.

Além disso, para que o DevSecOps seja efetivo, requer um alto grau de colaboração e conhecimento de todos os envolvidos no processo. Em comparação com métodos tradicionais de desenvolvimento, onde a segurança pode ser relegada a estágios posteriores, o DevSecOps reconhece que as ameaças cibernéticas estão em constante evolução, e esperar até o final para abordá-las pode resultar em sistemas vulneráveis. Portanto, é essencial que uma equipe especializada em cibersegurança esteja integrada desde o início, trabalhando lado a lado com desenvolvedores e operadores para garantir a criação de sistemas seguros, atualizados e robustos contra ameaças internas e externas.

Por que o DevSecOps é importante?

Com o avanço das práticas de desenvolvimento e a crescente necessidade de incorporar segurança desde o início, as organizações estão evoluindo sua abordagem. Cristina Cestari, CIO da Volkswagen e convidada do podcast Itshow, destaca essa tendência, afirmando: “Cada vez mais vamos ver disciplinas de segurança de informação integradas na cadeia produtiva. Antes falávamos apenas de DevOps, agora estamos falando de DevSecOps. Precisamos integrar a inovação dentro da forma como fazemos tecnologia. Não existem mais disciplinas isoladas.” 

Ela sublinha a importância de considerar a segurança como uma parte intrínseca do processo de desenvolvimento, não como uma entidade separada. O conceito de DevSecOps é um testemunho dessa evolução, enfatizando a necessidade de integrar a segurança em todos os aspectos do desenvolvimento e operações. Assim, vários benefícios podem ser observados: 

ilustração de um circuito digital
Imagem gerada por Inteligência Artificial (IA)

Eficiência processual

O DevSecOps prioriza a segurança em todos os aspectos do desenvolvimento, tornando as verificações de segurança mais rápidas e integradas. Antigamente, grandes intervalos eram necessários para realizar essas verificações, pois a segurança não era enfatizada em todos os passos. Com a crescente importância dos dados como ativos valiosos das organizações, torna-se necessário adotar medidas que garantam sua proteção.

Conformidade com a LGPD

Para além da necessidade intrínseca de cibersegurança, há também imperativos legais, como a LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados do Brasil. Esta lei penaliza práticas inadequadas relacionadas aos dados pessoais. Dado o volume de ameaças que os dados enfrentam todos os dias, desde potenciais hacks até perda de dados devido à falta de backups, é importante garantir a segurança dessas informações. Quase todas as empresas hoje lidam com dados de várias partes interessadas, e é vital que os procedimentos adotados sejam robustos contra vulnerabilidades, ressaltando que a implementação do DevSecOps é mais uma necessidade do que uma simples escolha.

Melhoria na qualidade dos projetos

A cultura DevSecOps não beneficia apenas a segurança. A colaboração entre desenvolvedores de várias etapas do projeto resulta em uma melhor harmonização e entendimento entre as áreas. Isso se traduz em projetos mais coesos e eficientes, proporcionando também maior agilidade ao processo como um todo.

Identificar vulnerabilidades em estágio inicial

Ao integrar práticas de segurança desde o início do desenvolvimento, as equipes são capazes de rastrear e resolver questões de segurança em fases iniciais. Isso não apenas economiza tempo e custos de correção, mas também assegura que os usuários experimentem uma transição mais suave e segura quando o software é lançado.

Acelerar o lançamento no mercado

O DevSecOps permite uma automatização mais eficaz dos testes de segurança, minimizando falhas provocadas por erros humanos. Esta abordagem elimina a avaliação de segurança como um ponto de estrangulamento, facilitando um lançamento mais rápido do produto.

Promover a cultura de segurança

O DevSecOps sensibiliza as equipes sobre a importância da segurança. Isso torna os desenvolvedores mais vigilantes e proativos na identificação de potenciais vulnerabilidades no código e nas tecnologias adotadas, elevando a qualidade da aplicação.

 Fomentando uma colaboração harmoniosa entre as equipes de desenvolvimento, operação e segurança, o DevSecOps garante uma visão unificada em relação à segurança. Equipados com ferramentas compartilhadas para avaliação e relatórios, todos os envolvidos buscam inovações que beneficiem os usuários, garantindo, simultaneamente, a integridade e a segurança do software.

Ouça agora o Ep. 9 do podcast Itshow no Spotify!

Quais são os componentes do DevSecOps?

Exame do código-fonte

O exame do código-fonte envolve uma revisão meticulosa do código de um programa com o objetivo de identificar potenciais vulnerabilidades e assegurar que ele atenda aos padrões de segurança aconselhados.

Monitoramento de modificações

As equipes técnicas empregam sistemas de monitoramento de alterações para acompanhar, administrar e comunicar modificações feitas no software ou em suas especificações. Isso minimiza o risco de falhas de segurança acidentais oriundas de modificações no programa.

Garantia de conformidade

É essencial que as equipes garantam que o software atenda a todas as normas reguladoras. Algumas ferramentas podem ser utilizadas para evidenciar essa conformidade com diretrizes de segurança, privacidade e integridade, como as estabelecidas pelo HIPAA, FedRAMP e PCI.

Antecipação de riscos

No âmbito do DevSecOps, os profissionais procuram antecipar questões de segurança que possam emergir antes e após o lançamento do software. Ao identificar problemas pré-existentes, trabalham para solucioná-los e disponibilizam uma versão otimizada do software.

Capacitação em segurança

A capacitação em práticas de segurança implica em educar as equipes de desenvolvimento e operações sobre as últimas normas e padrões de segurança. Assim, essas equipes estão habilitadas a fazer escolhas de segurança de forma autônoma durante o desenvolvimento e a implementação do software.

Melhores práticas de DevSecOps

Deslocamento à esquerda

Mover-se à esquerda implica abordar vulnerabilidades no início das fases de criação de software. Adotando essa abordagem, times de desenvolvimento podem antecipar e prevenir potenciais falhas de segurança durante a construção de um programa. Isso se traduz em códigos mais robustos e protegidos ao adotar práticas de DevSecOps.

Deslocamento à direita

Mover-se à direita destaca o papel essencial da segurança mesmo após o lançamento do software. Há situações em que vulnerabilidades só são reveladas quando a aplicação é efetivamente utilizada pelo público, necessitando de constante monitoramento e atualização.

Implementação de ferramentas automatizadas de segurança

Dentro de um ambiente de DevSecOps, as revisões frequentes são uma realidade. Integrando sistemas automatizados de segurança no fluxo CI/CD, as equipes garantem que análises de segurança não atrasem a produção, mantendo o processo ágil e seguro.

Cultivo da cultura de segurança

Priorizar a segurança no ethos empresarial é fundamental na era digital. Todos os envolvidos no processo de criação de software têm o dever conjunto de proteger os usuários de potenciais ameaças, estabelecendo assim uma cultura de proteção e responsabilidade. 

Baixe nosso material de apoio e aprofunde ainda mais seu conhecimento sobre o DevSecOps e a cultura da cibersegurança!

Diferenças entre DevSecOps e DevOps

A metodologia DevOps vai além de somente ser a colaboração entre as equipes de desenvolvimento e operações; é essencial que a equipe de segurança da TI esteja igualmente envolvida em todo o ciclo de vida das aplicações da empresa. Isso é especialmente crítico em um ambiente onde os ciclos de desenvolvimento são mais curtos, ocorrendo com a frequência de semanas ou dias. Anteriormente, a segurança era vista como uma consideração tardia, gerenciada por uma equipe separada e incorporada apenas nas fases finais do desenvolvimento – uma abordagem que era adequada quando os ciclos de desenvolvimento eram mais longos. 

Agora, para evitar que práticas de segurança desatualizadas comprometam a agilidade e eficácia que o DevOps visa alcançar, a segurança precisa ser integrada desde o início, o que deu origem ao termo “DevSecOps”. Esta abordagem incentiva uma mentalidade em que a segurança é uma responsabilidade compartilhada e é automatizada de modo a se harmonizar, e não atrasar, o fluxo de trabalho de DevOps.

DevSecOps significa mais do que apenas incorporar novas ferramentas; é um compromisso de integrar plenamente a segurança dentro da cultura e dos processos do DevOps, começando com a seleção de ferramentas adequadas, como um Ambiente de Desenvolvimento Integrado (IDE), que inclui funcionalidades de segurança. É também sobre convidar proativamente as equipes de segurança para contribuir desde o início, compartilhando insights e feedback sobre potenciais ameaças, como malwares. Isso pode também envolver treinamento adicional para desenvolvedores em práticas de segurança, reconhecendo que a segurança é uma parte integral e não apenas uma camada externa adicionada no final. 

A verdadeira integração da segurança envolve ainda uma análise profunda dos riscos e benefícios associados a diferentes aplicações, estabelecendo uma tolerância clara ao risco e identificando a quantidade necessária de controles de segurança. Isso é fundamental para garantir que as práticas de DevSecOps se alinhem com as metas estratégicas da organização, equilibrando cuidadosamente a velocidade e a segurança.

Como implementar o DevSecOps

Contrariando o mito, adotar o DevSecOps não cria mais obstáculos nem prolonga o processo de desenvolvimento. Ao invés disso, realça a eficiência das metodologias ágeis. O DevSecOps é uma evolução no desenvolvimento de software, que, quando equipado com as ferramentas e práticas adequadas, prioriza a segurança cibernética. Isso implica em automatizar o pipeline de entrega de software, minimizando erros e vulnerabilidades. Para incorporar o ethos do DevSecOps, certos passos devem ser seguidos:

Auditorias e resolução de problemas de segurança

Antes de introduzir uma nova abordagem, é fundamental avaliar a atual condição de seus sistemas. Isso envolve realizar auditorias de segurança para detectar vulnerabilidades e, a partir da perspectiva de um possível invasor, elaborar medidas de proteção.

Automação dos testes de segurança

Após identificar e corrigir as vulnerabilidades, é essencial incorporar soluções de escaneamento automático. Estas soluções garantem que novos recursos sejam testados e os padrões de cibersegurança sejam mantidos desde o começo do desenvolvimento.

Monitoramento de dependências de código

Ao usar códigos ou módulos de terceiros, é necessário estar ciente de suas vulnerabilidades. Portanto, a revisão contínua dessas dependências é vital para a cibersegurança.

Segmentação das verificações

Implementar o DevSecOps pode parecer complicado de início, porém, dividir o processo em segmentos gerenciáveis facilita a adaptação da equipe, permitindo que gradualmente se acostumem com as novas tarefas.

Integração de ferramentas de DevOps e cibersegurança

O êxito do DevSecOps requer uma fusão harmoniosa entre as ferramentas de DevOps e cibersegurança. O uso de interações de API, por exemplo, pode ser benéfico para esse propósito.

ilustração de circuitos digitais
Imagem gerada por Inteligência Artificial (IA)

Capacitação contínua das equipes

Investir no treinamento da equipe é fundamental para uma compreensão completa dos conceitos de cibersegurança, das vulnerabilidades emergentes e das práticas recomendadas, assim como a implementação de controles de segurança.

Cultivo de uma cultura orientada à cibersegurança

A verdadeira adoção do DevSecOps requer mais do que apenas implementar processos; necessita de uma mudança cultural. Todos os membros da equipe devem compreender, valorizar e priorizar a segurança, transformando-a em uma parte intrínseca do ethos da organização. 

Importância do DevSecOps para a estratégia de segurança e negócios

DevSecOps é a união da segurança ao desenvolvimento de software, do começo ao fim. Esta incorporação no fluxo de trabalho demanda uma mudança de perspectiva e a adoção de novos instrumentos. Assim, times de DevOps devem incluir mecanismos de segurança automatizados para garantir proteção ao ambiente, aos dados e também ao ciclo de Integração e Entrega Contínua (CI/CD). 

Proteção do ambiente e dos dados

  • Ambiente padronizado: Todo serviço deve operar com os mínimos privilégios necessários, limitando conexões e acessos não desejados;
  • Controle centralizado de acesso: Ter um gerenciamento estrito sobre quem acessa o que, utilizando sistemas de autenticação centralizados, é fundamental quando se tem microsserviços que realizam autenticação em diversos pontos;
  • Isolamento de containers: Os containers, ao rodarem microsserviços, devem ser isolados entre si e da rede principal. Tanto dados em trânsito quanto os armazenados estão potencialmente vulneráveis;
  • Criptografia de dados: As informações trocadas entre aplicações precisam ser criptografadas. Uma plataforma de gerenciamento de containers que tenha segurança embutida pode ajudar a prevenir acessos indesejados;
  • Gateways de API protegidos: Uma API segura é fundamental para garantir que os dados estejam protegidos e devidamente roteados.

Segurança no CI/CD

  • Verificação de segurança para contêineres: Inclui mecanismos de verificação de segurança quando containers são adicionados ao registro;
  • Automatização dos testes de segurança: Durante a fase de integração contínua, ferramentas que analisam a segurança devem ser executadas, assim como uma revisão de possíveis vulnerabilidades em imagens de contêineres pré-existentes;
  • Testes automatizados focados em segurança: O processo de validação inclui testes para validar entradas, autorizações e verificações de autenticação;
  • Atualizações de segurança automatizadas: Atualizações automáticas para solucionar vulnerabilidades conhecidas através de um fluxo DevOps devem ser implementadas. Esta prática minimiza a intervenção manual, garantindo um histórico detalhado e bem documentado das mudanças;
  • Gerenciamento automatizado de configurações: Mantendo as configurações de sistemas e serviços automatizadas, é possível assegurar que as políticas de segurança sejam obedecidas e erros humanos sejam minimizados. Procedimentos de auditoria e correção também devem ser automatizados.
ilustração digital de um circuito eletrônico
Imagem gerada por Inteligência Artificial (IA)

Em meio a essa realidade em constante evolução no mundo da tecnologia, a conscientização sobre a importância da segurança e sua integração nas práticas de desenvolvimento se torna crucial em todos os níveis de uma organização. Como Cestari ressalta: “Já está claro para todos nós que a conscientização não é só da área de tecnologia, não é só do desenvolvedor. A organização como um todo precisa estar consciente, do board até a pessoa que está iniciando a carreira dentro da organização.” 

Esta perspectiva destaca que, para efetivamente combater ameaças cibernéticas e promover práticas seguras, cada membro da organização, independentemente de seu papel ou nível hierárquico, deve estar informado e alinhado com os valores e práticas de segurança integradas.

Assine nossa Newsletter para receber os melhores conteúdos do Itshow direto no seu email.

Fernanda Martins
Fernanda Martins
Formada em Letras, com pós em mídias sociais, e redatora do portal de notícias Itshow. Já escreveu para vários blogs de cultura pop, produziu conteúdo no Facebook e no Instagram sobre literatura e até escreveu algumas fanfics pela internet. Hoje, se especializa em redação e usa suas habilidades de escrita crítica e literária para trazer mais sensibilidade aos textos e continuar fazendo o que ama.
Postagens recomendadas
Outras postagens