29.2 C
São Paulo
sábado, fevereiro 24, 2024
InícioLiderança de TIMulheres são mais afetadas pelas demissões na indústria de tecnologia no mundo

Mulheres são mais afetadas pelas demissões na indústria de tecnologia no mundo

A indústria de tecnologia tem sido um dos setores mais impactados pelas demissões em massa em grandes empresas como Google, Meta, Microsoft e Amazon. E, infelizmente, essa crise tem afetado de forma desproporcional as mulheres que trabalham na área

No final do ano passado, a Reuters divulgou informações sobre um processo movido contra o Twitter após a demissão de mais de 3 mil funcionários em novembro. A ação apontou que cerca de 57% das funcionárias foram desligadas, enquanto 47% dos homens foram demitidos.

Mulheres são mais afetadas pelas demissões na indústria de tecnologia no mundo

Segundo dados divulgados pela Layoffs.fyi, startup que acompanha demissões na área de tecnologia, mais de 160 mil pessoas foram desligadas das empresas no mundo em 2022. Já neste ano, o número ultrapassa 120 mil demissões.

No Brasil, o número de mulheres é superior ao de homens, atingindo pouco mais de 51% da população, segundo a pesquisa de 2021 feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Com relação aos profissionais contratados, apenas 44% são mulheres, aponta o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED).

A tecnologia é uma das poucas indústrias onde as mulheres têm feito progresso significativo, entretanto essas demissões impactam a presença feminina em todos os níveis hierárquicos, desde funções operacionais até cargos de liderança.

Segundo um relatório recente do Banco Mundial, meninas e mulheres têm menor probabilidade de se matricular em cursos de STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática) em comparação com os meninos e homens, com exceção das ciências da vida. E, na maioria dos países, as mulheres representam menos de 35% dos graduados em STEM.

Mulheres são mais afetadas pelas demissões na indústria de tecnologia no mundo

Essa disparidade de gênero é preocupante, já que as carreiras tecnológicas estão em alta demanda e oferecem oportunidades de crescimento profissional. A diferença entre os gêneros começa desde a escola primária, com meninas e meninos que possuem interesse semelhantes em ciência e matemática, mas as garotas acabam tendo menos confiança em suas habilidades nesses campos, por questão cultural, o que explica porque a representatividade feminina ainda é baixa no setor.

A indústria da tecnologia é, historicamente, uma área predominantemente masculina, o que pode criar barreiras para mulheres que desejam ingressar na carreira. Apesar disso, existem empresas com algumas iniciativas em andamento para incentivar a diversidade de gênero no setor.  

É o exemplo da “Se candidate, mulher”, startup que capacita e ajuda a empregar mulheres, e que busca incentivar outras empresas da indústria na busca por profissionais.

Assine nossa Newsletter para receber os melhores conteúdos do Itshow em sua caixa de entrada.

Erika Rodrigues
Erika Rodrigues
Sou repórter e redatora no Itshow. Já produzi diversas matérias como jovem repórter do Núcleo de Jornalismo Investigativo da Record TV, onde também fiz parte da equipe de apuração da Agência Record, abastecendo os principais jornais da casa, além do portal R7. Com dedicação e comprometimento, estou sempre em busca de novos desafios e oportunidades de crescimento em carreira.
Postagens recomendadas
Outras postagens